Batismo no Espírito e nas águas em Paulo

 

O perigo que corremos quando estudamos esse debatido tema do batismo, com foco nas cartas paulinas, é uma aproximação ao texto carregada com nossos pressupostos, preconceitos, convicções e agenda teológica, ao invés de ouvirmos o ensinamento do apóstolo.

Nosso problema é que, mesmo nas treze cartas que temos do apóstolo Paulo, nós não temos tudo o que Paulo gostaria de nos ensinar sobre todos os tipos de assuntos, especialmente sobre esse motif, mas temos alguns dados que podem nos guiar.

Qual é o relacionamento entre o batismo nas águas e o batismo no Espírito? Alguns veem esse relacionamento tão próximo que associam um com o outro, dizendo que o Espírito é recebido no batismo das águas. Para outros, não há relacionamento nenhum é uma mera questão de coincidência.

O segundo volume da obra de Lucas pode nos ajudar nessa questão. Seguindo as narrativas de Atos, será que temos um paradigma em At 19. 1-7, onde a vinda do Espírito ocorre em conexão com o batismo nas águas? Ou nosso modelo está em At 10, onde o batismo é uma resposta a vinda do Espírito?

Ainda temos outra questão a ser levantada. A questão da dinâmica e experimental vinda do Espírito, que faz parte do quadro maior sobre o que acontece quando uma pessoa é salva por Cristo. Gordon Fee mostra que há uma tradição substancial na igreja afirmando que a experiência do Espírito, ou um “batismo no Espírito” se preferir, tem uma disposição subsequente aos crentes em relação ao recebimento do Espírito no batismo, ainda que essa experiência subsequente tenha sido entendida de maneiras variadas (santificação, fortalecimento, confirmação)[1]. Essa interpretação usa como paradigma o capítulo 8 de atos, onde a conversão é seguida do batismo, que é seguido tempo depois pelo batismo no Espírito.

Essas questões são tão vastas que não podemos lidar com elas detalhadamente nesse artigo, porque também precisaríamos analisar o restante do Novo Testamento para isso. Meu interesse nesse artigo é estritamente no testemunho paulino. Pelo fato de Paulo não ter dito muito sobre a segunda questão (batismo no Espírito), precisarei expandir minha pobre visão para ver se há alguma evidência paulina que simpatize com o conceito de “experiência subsequente”.

As informações podem ser facilmente distorcidas. Paulo associa O Espírito com o verbo “batizar” em apenas um único texto, 1 Co 12.13, e muito tem sido escrito sobre esse texto, e o desacordo entre teólogos é ainda maior.

Ambas as interpretações usam esse texto para provar e fundamentar seu raciocínio. Por isso irei oferecer uma analise detalhada com ambas as questões em mente.

 

O Espírito e o batismo nas águas

 

Na igreja primitiva, o batismo nas águas era a resposta imediata do crente ao ato salvador de Deus no Espírito[2]. Por parecer que ambos possuem uma conexão intrínseca, muitos argumentam que O Espírito vem ao crente através do próprio ato do batismo, como uma consequência inexorável. O paradigma absoluto usado é o do próprio Jesus, com a descida do Espírito em forma de pomba após seu batismo. Os textos-chave são 1 Co 6. 11; 12.13 e Tt 3.5[3].

O erro dessa abordagem se encontra tanto no método como nos pressupostos. No método por falhar em perceber como prosseguir para descobrir a perspectiva de Paulo e nos pressupostos por simplesmente enfatizar uma experiência da igreja e jogar fora o restante das evidências como um todo.

Iremos prosseguir nossa abordagem em três passos: 1. Iremos olhar cuidadosamente para 1 Co 12.13 que associa (ou que pelo menos parece que associa) o Espírito e o batismo[4]; 2. Depois iremos olhar para os textos onde Paulo fala sobre o batismo de uma forma clara e não ambígua, e veremos se há alguma conexão com o Espírito e; 3. Veremos os textos onde Paulo fala sobre conversão em termos do Espírito e ver se o batismo pode ser pelo menos pressuposto[5].

 

Batismo no Espírito em 1 Co 12.13

 

Os reverendos Archibald Robertson e Alfred Plummer veem nesse texto um “aspecto social do batismo” [6], mas podemos dar alguns passos a mais.

Nosso texto vem após uma afirmação dupla: “O corpo é um” e tem muitos membros, e então Paulo explica essa afirmativa dizendo que “em um só Espírito, todos nós fomos batizados, em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres e a todos nós foi dado de beber de um só Espírito”.

Alguns veem a expressão “em um só Espírito, todos nós fomos batizados” como uma relação intima entre ambos (batismo e Espírito), e outros veem a expressão “beber de um só Espírito” como a ação do mesmo após o batismo. Mas ao analisarmos o contexto, essas duas opções caem por terra.

No contexto Paulo discorda dos cristãos em Corinto sobre a natureza da verdadeira espiritualidade. É provável que os coríntios entendiam a “glossolalia” (falar em línguas) como a evidência que eles já haviam começado a falar a linguagem celestial (13.1), indicando que eles alcançaram um estado espiritual que os coloca acima da vida neste mundo[7]. Porém Paulo tem uma visão sobre espiritualidade diferente, que inclui discipulado que segue O Crucificado (2.1-3; 4.1-9)[8].

Paulo os corrige teologicamente no capitulo 12, mostrando que o foco exclusivo no dom de língua mal interpreta e não representa a natureza da igreja. Paulo argumenta que a unidade em meio a diversidade é a verdadeira prova da manifestação do Espírito entre eles, que é o ponto de quase todo o capítulo 12. No verso 13, elaborando o que ele disse no verso anterior, Paulo oferece um fundamento para a unidade, que é a experiência comum que eles tinham no Espírito.

Muitos leem esse texto como se Paulo estivesse ensinando como um individuo se torna um cristão, quando na verdade, Paulo está mostrando como os cristãos, com tanta diversidade entre eles, são de fato um só corpo. A resposta é clara: O Espírito que todos eles receberam. Para Paulo, a recepção do Espírito é o sine qua non da vida cristã[9].

Paulo usa um paralelo para demonstrar a comum recepção do Espírito entre os coríntios:

 

“Todos nós fomos batizados em um Espírito”

e

“Todos nós bebemos de um só Espírito”.

 

A primeira parte é qualificada pela frase preposicional “em um corpo”[10], que é modificada pela adição parentética “quer judeus, quer gregos, quer escravos quer livres”[11].

Sobre a analise acima, G. Fee oferece cinco importantes observações, que estão resumidas abaixo[12]:

 

  1. Ainda que alguns dizem que Paulo usa o verbo “batizar” somente para o rito de iniciação cristã, não podemos ter total certeza. É correto afirmar que esse verbo se tornou o termo técnico para esse rito muito cedo na igreja, mas não podemos assumir que Paulo o usou de forma técnica aqui. Ele não disse que “todos nós fomos batizados”, o que implicaria o batismo nas águas, mas ele especificou: “Todos nós fomos batizados no Espírito”.
  2. Além do mais, não é o batismo, mas sim “o Espírito”, que a base do argumento de Paulo para a unidade (cf. vv. 4-11). Essa é a perspectiva coerente de Paulo ao longo de suas cartas: cristãos formam um só corpo em Cristo precisamente por causa do Espírito.
  3. O texto não dá suporte para afirmar que o Espírito é recebido no batismo nas águas. A preposição grega “en” (em/com/pelo) dificilmente pode ser forçada a significar algo como “todos nós fomos batizados (nas águas), e através disso foi dado o Espírito”. Aqui o Espírito é o “elemento” no qual todos foram batizados.
  4. A maior dificuldade para a visão que o Espírito é dado no batismo está na segunda parte, “e a todos foi dado beber de um só Espírito”. Temos aqui um paralelismo semítico (pelo que parece) onde as duas cláusulas tem essencialmente o mesmo sentido. Esse é o sentido claramente metafórico do paralelismo que, junto com o modificador “no Espírito”, pende mais fortemente para um sentido metafórico ao invés de literal, para o batismo da primeira clausula. Ou seja, a experiência que eles tiveram do Espírito, é análoga mas não idêntica, a imersão que eles tiveram no batismo nas águas. Eles foram imersos no Espírito.
  5. Alguns argumentam que a segunda cláusula aponta para uma segunda experiência no Espírito. Mas contra essa visão está o paralelismo citado acima e a falta dessa linguagem em toda a literatura cristã para se referir a experiência do Espírito.

À luz dessas observações, sobre o que essas duas cláusulas se referem? Para qual experiência cristã elas servem de metáforas? Alguns argumentam que o batismo no Espírito é uma experiência distinta e separada da conversão. Mas contra essa visão está o uso paulino (ele não usa esse termo para uma segunda experiência em nenhum lugar) e a ênfase do contexto, que não é sobre uma experiência especial do Espírito além da conversão, mas sim sobre a experiência comum da recepção do Espírito[13].

Portanto, Paulo está se referindo a experiência de conversão, se referindo ao seu elemento crucial, a recepção do Espírito. As expressões metafóricas (imersão no Espírito e beber do Espírito) implicam uma experiência muito maior e uma manifestação mais visível da recepção do Espírito do que alguns pretenderiam experimentar na história posterior da igreja[14]. Paulo pode fazer tal apelo a comum experiência do Espírito precisamente porque, como em Gl 3. 2-5, era uma experiência dinamicamente real, que havia acontecido com todos[15].

 

Batismo nas águas.

 

Nas cartas paulinas, temos referências claras ao batismo nas águas, o que pode indicar uma falta de conexão com o dom do Espírito. Os textos são: 1Co 1.13-17 (cf. 10.2; 15.29); Gl 3.27; Rm 6. 3-4; Cl 2.12; Ef 4.5. Dois comentários sobre esses textos se fazem necessários.

  1. Primeiramente, em todas essas passagens que associam os cristãos com o batismo, é invariavelmente com referência a Cristo, e não com o Espírito[16]. Quando alguém é batizado, está revestido de Cristo, mas nunca do Espírito. Em Ef 4. 4-6, vários aspectos da vida cristã é associado ao Espírito e a Cristo. Mas o “um corpo” e a “uma só esperança” são associados com o Espírito, enquanto a fé e o batismo são associados a Cristo[17].
  2. Em 1 Co 1. 13-17, Paulo deliberadamente coloca o batismo como secundário em relação a proclamação do evangelho. Ele não diminui o importante papel que o batismo tem, mas de maneira nenhum ele permitirá ser igualado a proclamação do evangelho que trás as pessoas à fé.

Meu ponto é: Paulo associa a recepção do Espírito com sua proclamação do evangelho e não com o batismo. O batismo é a resposta individual pela graça recebida através do Espírito ao aceitar o evangelho em fé.

Se Paulo associasse o batismo nas águas com a recepção do Espírito, ele não usaria essa linguagem, muito menos batizaria apenas dois em Corinto (Crispo e Gaio, mais a casa de Estéfanas). Pelo contrário, é precisamente por causa do seu ministério, proclamando a palavra, que o Espírito vem.

 

Conversão e o batismo no Espírito.

 

Ainda há uma questão a ser levantada do outro lado. Será que Paulo concebia uma obra de Graça além da conversão, a qual a linguagem “batismo no Espírito” pode ser corretamente aplicada?

Alguns interpretam alguns textos dessa maneira, como por exemplo, 1Co 12.13 e Gl 4. 4-6, mas se analisarmos as evidências acumulativas como um todo, essa posição se torna na melhor das hipóteses questionável. Se Paulo conhecia tais experiências ainda é um ponto discutível. Duas observações são necessárias aqui:

Primeiramente, Paulo faz uma clara conexão entre o Espírito e a “experiência de poder”[18]. Em outras palavras, na concepção paulina, o Espírito não é apenas experimentado na conversão, mas é constantemente experimentado de uma maneira dinâmica e visível.

Isso fica ainda mais claro ao lermos Gl 3. 2-5, especialmente o verso 5 que diz:

 

“Aquele, pois, que vos concede o Espírito e que opera milagres entre vós, porventura, o faz pelas obras da lei ou pela pregação da fé?”

 

Paulo apela para a experiência no Espírito, que era dinamicamente presente entre os gálatas para mostrar que eles não tinham relacionamento com a lei judaica[19].

Em segundo lugar, a vida no Espírito, na visão de Paulo, de maneira alguma se restringia exclusivamente a experiência no Espírito no momento da conversão.

Paulo não tinha uma visão estática do Espírito como muitos cristãos posteriores, que viam o Espírito dado “uma vez por todas” na conversão, e depois disso não haveria nenhuma experiência no Espírito e somos dados aos nossos próprios esforços para viver a vida cristã.

Para Paulo, o Espírito é a chave da vida cristã, e ele implica frequentemente que há sim momentos posteriores da conversão, onde o Espírito é derramado para fortalecer os cristãos.

O que acontece na conversão precisa ser renovado. Para Paulo a vida no Espírito começa na conversão, ao mesmo tempo em que é experimentada em dimensões dinâmicas e renovadoras[20].

O batismo nas águas é a resposta do individuo a atividade e presença do Espírito. Não é meramente um rito, pois Paulo usa imagens fortes para descrevê-lo como, por exemplo, morrer e ressuscitar com Cristo, ser revestido de Cristo, antes faz parte do complexo de conversão como um todo. Por imersão ser o padrão normal para o batismo, isso proporciona para Paulo ricas metáforas para descrever o batismo.

A recepção do Espírito não é estática, nem meramente um evento do passado, mas deve ser uma realidade presente. Linguagem quantitativa é evitada, e não existe a conhecida “segunda benção”, ma a experiência do Espírito sempre-presente pode ser inflamada. Nosso ponto aqui não precisa ter precisão terminológica ou teológica, mas acima de tudo precisa ser renovado, para eu nós possamos ser verdadeiramente o povo do Espírito, a comunidade escatológica de Deus, habitada e transformada pelo Espírito, nesse mundo perverso, e brilharmos a glória de Deus nesse país.

 

 

 

[1] Gordon Fee, “Paul, the Spirit ans the people of God” p. 194.

[2] Ibid.

[3] Alguns ainda adicionam Gl 3.28-4.6 e as figuras de selo em 2 Co 1.21-22; Ef 1.13-14; 4.30.

[4] Não teremos espaço aqui para olhar os outros textos dessa natureza como p. ex. 1Co 6.11 e Tt 3.5.

[5] Ibid. p. 195.

[6] Archibald Robertson e Alfred Plummer, “A critical and exegetical commentary on the first epistle of st. Paul to the Corinthians”, ICC, p. 272.

[7] Fee, op. cit.

[8] Ibid.

[9] Gordon Fee, “God´s empowering presence, the holy spirit in the letters of Paul”, p. 178.

[10] Em Gr. “εις εν σωμα”, onde εις pode ser local, indicando onde todos foram batizados, ou denotando o objetivo da ação, indicando o propósito da ação do batismo (= para se tornar um corpo).

[11] Gordon Fee, “The first epistle to the Corinthians”, NICNT, p. 603.

[12] Fee, “Paul, the Spirit ans the people of God” p. 196-97.

[13] Ibid.

[14] Ibid. p. 197.

[15] Ibid.

[16] Ibid.

[17] Ibid. p. 200.

[18] Ibid.

[19] Ibid.

[20] Ibid. p. 202.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s